Cultura

Câmara da capital aprova o Dia do Preto Velho

Vereadores de Campo Grande aprovaram, na sessão da última quinta-feira (9), o Projeto de Lei 11.260/2024, que institui o Dia do Preto Velho no município. A proposta, de autoria da vereadora Luiza Ribeiro (PT), passou pelo plenário com 12 votos favoráveis e oito contrários. A data será celebrada anualmente no dia 13 de maio.

De acordo com a vereadora, a aprovação deste PL por um órgão legislativo municipal significa a valorização das religiões de matriz africanas, que são perseguidas e discriminadas. “A gente ainda sente a intolerância religiosa e o preconceito racial. As religiões são discriminadas e perseguidas porque são religiões de pessoas negras. Aprovar é um grande passo”.

A mãe de santo Iyàlasé Mary D Òsóòsi, Mary Deleon, esteve presente na sessão e comentou sobre a conquista do dia “A gente luta há muito tempo por isso aqui. Muitos não entendem a importância que isso tem para a nossa gente. Assim como tem o Dia de Santo Antônio, também gostaríamos de ter o nosso dia, que é o Dia do Preto Velho. Nós restauramos a Praça do Preto Velho, junto com todas as comunidades e culturas de matrizes africanas e, a partir disso, a Luiza vem nos ajudando para que a gente chegue nesse desenvolvimento, porque é o que isto é”.

Durante a votação, Luiza Ribeiro citou a aprovação de uma emenda de R$480 mil reais, realizada pelo deputado federal, Vander Loubet (PT), para a reforma da praça do Preto Velho, localizada no bairro Vila Progresso. ” O valor já está no cofre da prefeitura, mas eles têm todo um sistema, juntaram todas as pessoas e entidades que representam as religiões de matriz africana para dizerem o que querem na praça”.

Segundo a vereadora, outras datas comemorativas de outras entidades das religiões africanas serão colocadas em discussão no plenário da Casa de Leis. “Com isso a gente homenageia as pessoas negras dessa cidade, que são muito importantes para todos nós”.

De acordo com o Censo 2010, mais de 15 mil residentes de Campo Grande são pertencentes à alguma religião de matriz africana.

Maria Eduarda Metran

Deixe uma resposta