CidadesSaúde

Com fracasso do mini lockdown, Campo Grande desiste de aumentar isolamento social

Foto: Divulgação/Prefeitura

Depois de as restrições mais rígidas para tentar aumentar o isolamento social surtirem pouquíssimo efeito, a Prefeitura de Campo Grande decidiu relaxar as regras para o comércio, que teve o horário de funcionamento estendido e autorização para abrir aos fins de semana, e o toque de recolher terá uma hora a menos.

Enquanto isso, a Capital é o epicentro da covid-19 em Mato Grosso do Sul, depois de passar Dourados, a Cidade Morena reina absoluta em número de mortes, com mais do que o dobro da segunda colocada. E a situação dos hospitais está próxima do colapso, com 92% dos leitos de UTI ocupados na macrorregião.

Diante deste cenário, o Governo do Estado coloca Campo Grande entre os municípios com recomendação para deixar apenas os serviços essenciais funcionando e medidas mais rígidas de restrição na circulação de pessoas. No entanto, a administração da cidade faz o contrário.

Fonte: Boletim Epidemiológico da Secretaria Estadual de Saúde.

A partir deste sábado (1º), o toque de recolher passará a vigorar das 21h às 5 horas da manhã. Antes começava às 22h. O comércio varejista poderá funcionar entre às 9h e 19h, de segunda a sexta-feira, e das 9 às 16 horas, nos sábados e domingos.

A abertura e fechamento dos shoppings, que ficaram fechados nos dois últimos finais de semana, deve ocorrer das 11 às 20 horas, de segunda a domingo.

Academias e salões de beleza podem funcionar entre 5 horas e 20h30, de segunda a sexta-feira. No sábado, as academia podem abrir das 5 às 16 horas e no domingo não é permitida a abertura. Já os salões de beleza podem abrir das 9 às 18 horas no sábado e estão proibidos de funcionar nos domingos.

Os restaurantes podem abrir de segunda a domingo das 5 às 21 horas. Além disso, as atividades econômicas e sociais deverão limitar o atendimento a até 50% da capacidade máxima do recinto, que antes era de 30%.

Se com o mini lockdown o isolamento social em Campo Grande não conseguiu passar de 50% (36,5% na quinta-feira, dia 30 de julho), com estas novas medidas menos rígidas, os índices devem permanecer longe dos 70% recomendados pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

E para perceber isso, basta olhar o que aconteceu nas cidades do Brasil e nos países do mundo que decidiram flexibilizar a abertura do comércio sem controlar a pandemia. Aumentou o número de infectados e de mortes.

Fonte: Boletim Epidemiológico da Secretaria Estadual de Saúde.

Deixar um comentário

%d blogueiros gostam disto: