CidadesSaúde

MS registra 1.652 novos casos e mais 22 mortes pela doença

O boletim epidemiológico da Covid-19 atualizado desta quarta-feira (23) confirmou 1.652 novos casos da doença em Mato Grosso do Sul. O total de infectados desde o início da pandemia passa a ser de 125.181.

Dos novos casos os municípios com mais confirmações são: Campo Grande (+601), Dourados (+228), Três Lagoas (+73), Maracaju (+66) e Aquidauana (+46). A média diária de novos casos na última semana é de 1.224.

O secretário de saúde, Geraldo Resende acredita que o mês de dezembro será o mês mais crítico da doença. “Nós ultrapassamos hoje a marca de 125 mil casos da doença. Nossa média móvel dos últimos 7 dias ultrapassa 1,2 mil. São números muito expressivos, a maior média móvel que já tivemos. E vamos ter possivelmente o mês de dezembro o mês de mais casos da Covid-19 em Mato Grosso do Sul”, destaca.

Dos 15.426 casos ativos da doença 14.763 estão em isolamento domiciliar, e outros 663 estão hospitalizados, sendo 370 em leitos clínicos e 293 em leitos de UTI. A taxa de ocupação global leitos SUS por macrorregião é de 111% em Campo Grande, 81% em Dourados, 53% em Três Lagoas, e 59% em Corumbá.

A Secretaria de Estado de Saúde (SES) registrou hoje mais 22 mortes por complicações da doença que já vitimou 2.130 sul-mato-grossenses. Com idades entre 42 a 90 anos, os pacientes que vieram a óbito são de: Campo Grande (7), Naviraí (2), Itaquirai, Dourados, Anastácio, Três Lagoas, Amambai, Paranaíba, Corumbá, Porto Murtinho, Bonito, Antônio João, Bandeirantes, Rio Verde e Dourados. Nos últimos 7 dias cerca de 21,7 pessoas perderam a batalha para a doença.   

Com o elevado número de casos sem liberação pelos munícios, a secretaria adjunta da SES, Christine Maymone fez o alerta. “Estamos trabalhando 24 horas no Lacen. Estamos correndo contra o tempo. Entregando no mínimo de tempo possível que conseguimos. Temos 3.812 amostras ainda em processamento. Mas, no entanto, temos 6.436 casos sem encerramento pelos munícios que precisam ser encerrados para informação chegar mais fidedigna a população”, destacou.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: