Cidades

Prefeitura começa a recapear Ernesto Geisel

Equipes da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos (Sisep) iniciaram nessa segunda-feira (1º), a  recomposição do pavimento de um trecho de 1,240 km da pista bairro/centro da Avenida Ernesto Geisel interditado há 6 meses para implantação de um emissário. É a tubulação por onde passa, até a estação de tratamento, boa parte do esgoto coletado em Campo Grande.

A área de intervenção abrangerá 1.900 metros quadrados, entre as ruas do Touro, perto do Guanandizão, Bonsucesso e Ceres. Serão dois dias de serviço com o uso de 200 toneladas de capa asfáltica.

O novo emissário foi conectado ao interceptor antigo, que margeia o rio e já está em funcionamento. Nesta fase inicial, o serviço será feito entre as ruas do Aquário e Ouro Verde. A expectativa é de que até quarta-feira a pista esteja liberada para o trânsito. Se a chuva não atrapalhar, em 10 dias todo o trecho (a partir da Rua Touro) onde as obras foram realizadas esteja pronto.

Para instalação de mais de 1.240 metros do emissário, foi preciso abrir valetas de 3,8 metros de profundidade, onde foram colocadas tubulação de 90 centímetros de diâmetro. São canos feitos com material mais resistente, PRFV (Poliéster Reforçado com Fibra de Vídro), que só é fabricado com prévia encomenda. Nos próximos dias, a empreiteira retomará o trabalho dentro do rio com a construção da parede de gabião.

Estabilização

As obras no Rio Anhanduí são para estabilizar as margens do rio (com muro de gabião e placas de concreto). Sem as paredes de gabião ou de concreto, quando chove muito na cabeceira dos córregos afluentes (Prosa e Segredo), a correnteza aumenta. A água, ao bater no barranco diretamente, derruba o aterro e provoca erosão, colocando em risco as pistas. Está planejada a construção de mais bocas de lobo nas pistas marginais para aumentar a capacidade de captação da enxurrada.

Também está programada uma ciclovia (na margem direita até a ponte de travessia na Rua Abolição e na esquerda daí até a ponte na Rua do Aquário), urbanização e recapeamento das duas pistas da Avenida Ernesto Geisel, numa extensão de 1,8 km, da Rua Santa Adélia até a Rua do Aquário. A margem direita (sentido centro-bairro) já está “revestida”, protegida da erosão com paredões de gabião com até 9 metros de altura e placas de concreto. As cabeceiras da ponte, para travessia na altura da Rua Bonsucesso, foram refeitas após a construção no canal do rio de gabião embaixo da estrutura.

O que já foi feito

Até agora, 60% do projeto já foi executado. O canal já está pronto nas duas margens do lote 1, que tem 410 metros (entre as ruas Santa Adélia e Abolição). As pistas marginais foram recapeadas, ainda falta fazer a ciclovia, implantar o guard rail, além da urbanização. Um trecho antigo do canal de 20 metros está sendo reconstruído. Nos outros dois lotes, que juntos tem 1.260 metros, da Rua da Abolição até a Rua do Aquário, a margem direita (sentido bairro) está pronta. Na margem esquerda, o serviço foi interrompido porque havia risco de danificar o interceptor com a movimentação de terra.

Para reforçar a estrutura do canal, o projeto prevê nos trechos com paredes de concreto a “ancoragem” das placas. A técnica consiste na abertura de uma perfuração de 11 metros no subsolo, onde se coloca um cabo de aço e nele se injeta concreto armado, fazendo o grampeamento da estrutura.

A parte do canal em gabião é revestido com uma manta geotêxtil. Este material, feito com poliéster, é colocado atrás das paredes de gabião, reforçando ainda mais a proteção das margens do aparecimento de novos processos erosivos.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: