Política

Parlamentares entram com pedido de impeachment de Reinaldo Azambuja na ALMS

Foto: Chico Ribeiro/Governo

O vereador de Campo Gande Vinicius Siqueira e o deputado federal Loester Trutis, ambos do PSL, protocolaram na manhã desta quarta-feira (8) um pedido de impeachment contra o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul.

Os parlamentares sustentam que o indiciamento de Reinaldo pela Polícia Federal pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e formação de organização criminosa no recebimento de propinas da JBS que totalizaram R$ 67 milhões apresenta novas provas e novos crimes cometidos pelo governador do Estado.

Agora cabe à Mesa Diretora da Assembleia Legislativa, presidida pelo deputado Paulo Corrêa, decidir se aceita o pedido de impeachmento e os ritos para a tramitação do processo na Casa. Reinaldo nega irregularidades e diz que recebeu a conclusão do inquérito e o indiciamento com “estranheza e indignação”.

O inquérito que envolve Reinaldo foi aberto com base na delação premiada dos executivos do grupo J&F, também atinge seu filho Rodrigo Souza e Silva e outras 20 pessoas envolvidas no esquema.

O relatório foi enviado ao ministro Félix Fischer, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), relator do caso. A investigação foi conduzida pelo Serviço de Inquéritos Especiais (Sinq) da PF, responsável por casos envolvendo políticos com foro privilegiado. Agora, caberá à Procuradoria-Geral da República (PGR) decidir, com base nas provas obtidas, se apresenta denúncia contra Azambuja.

Provas foram obtidas através da Opeação Vostok, que incluiu a deflagração de busca e apreensão, quebras de sigilo bancário e dezenas de depoimentos, a PF obteve provas independentes que corroboraram a delação e apontaram que as propinas foram pagas por meio de dinheiro vivo, repasses da JBS a um frigorífico que gerava notas fiscais frias e, por último, por doações eleitorais oficiais, entre os anos de 2014 e 2016.

Documento com o pedido de impeachment protocolado na Assembleia Legislativa. (Foto: Reprodução/Facebook)

Deixar um comentário

%d blogueiros gostam disto: